Sexta-feira, 17 de Março de 2006
Duas Histórias de Violência
















David Hasselhoff e Yanni. Nos tempos mais recentes, estes dois grandes vultos da cultura popular – OS grandes vultos, dirão mesmo alguns especialistas – foram notícia por terem sido confrontados, judicialmente e tudo, com acusações de violência doméstica sobre as respectivas companheiras. Bem, eu podia, qual jornalista armado aos cucos do lugar-comum, dizer antes que “foram notícia pelos piores motivos”, mas isso seria mentira, até porque todos sabemos que o pior que estas duas criaturas fizeram não foi bater em mulheres. Foi bater no mundo. Na humanidade. Na civilização. Nos valores que tudo sustentam. Foi agredir tudo e todos com as suas constantes aparições em tronco nu e os seus “Ao Vivo na Acrópole”, por exemplo e respectivamente. Com as suas camisolas vermelhas de gola alta ou as suas toilettes de camisa de cetim e calças de cabedal, ainda por exemplo, e ainda respectivamente.

Mas, voltando à novidade propriamente dita, parece que David, a atravessar um penoso processo de divórcio, e Yanni, acometido pela fúria relacionada com o facto de os bigodes, em termos de popularidade das pilosidades faciais, ainda serem o parente pobre e não se aproximarem da aceitação social das barbas, das suíças e das, também elas abomináveis, pêras, resolveram, quase sincronizados, espetar uns morteiros na esposa Pamela Bach e na namorada Silvia Barthes, mais uma vez respectivamente, mas, agora, não por exemplo. Para além disso, David ainda vive com o seu problema de alcoolismo, o qual, infelizmente para todos nós, não é um problema em aparecer seminu na TV. Pessoalmente, de bom grado deixaria de comer carne vermelha só para, no início dos anos 90, o problema de alcoolismo do David ter sido trocado por boa dose de fotofobia ou de agorafobia. Ou ébola.

Existirão, portanto, algumas atenuantes, mas o que fica é que David e Yanni, já cinquentões, representaram o cúmulo da ingratidão, porque, afinal de contas, aplicaram umas galhetas em duas mulheres que, por incrível que pareça, até terão aceitado dormir com eles. Se bem que a maior parte das vezes deve ter sido mais numa onde de “Está bem, xiça! Mas pára de cantar o dueto que fizeste com a Laura Branigan, caramba!”. Ou, no caso do Yanni, “Está bem, mas prometes que paras de enumerar coisas em que ganharias ao Vangelis e ao Demis Roussos!” Mas nem tudo é mau. Nem tudo é feio. Eles também já conseguiram coisas boas. Já fizeram coisas bonitas, como diria o Artur Jorge se ainda alguém o entrevistasse para alguma coisa. Por exemplo, em 1995, em mais um caso de “vida imita a ficção”, David Hasselhoff salvou uma criança que se estava a afogar. Claro que, depois da reanimação, cantou a canção das Marés Vivas com bastante sentimento, o que acabou por quase não compensar o regresso à vida por parte do catraio. Conseguiu ainda, a cantarolar, a admiração incondicional da Alemanha, país que, como se sabe, é dotado de um discernimento, bom senso e, há que dizê-lo, extremo bom gosto, sendo que, em qualquer discussão sobre esse tema, nomes como Hitler ou Modern Talking não nos deixam mentir. E, enquanto produtor das Marés Vivas, teve a simpatia de meter a Pamela Anderson a correr em câmara lenta debaixo de um fato de banho molhado. Vamos esquecer que também se pôs a si próprio, e a outros homens, a correr pelas praias, e, nesse sentido, embora não bata o Tommy Lee, merece o sincero agradecimento da humanidade por ter conseguido gravar a Pamela a fazer coisas tão estimulantes.

Quanto ao Yanni, a verdade é que pouco há a seu favor. Para além de ter provado universalmente que um consultor de imagem é mesmo um recurso humano necessário quando se está inserido no mundo artístico, pode-se, com muito boa vontade, destacar o facto do seu nome, que é grego, significar “João com cabelo dourado”. Isto é, quanto muito, Yanni consegue-nos provar que a língua grega é mais um daqueles idiomas em que uma mísera palavra pode significar coisas como “ontem fui à pesca com o meu tio da França e ele aconselhou-me antes as madeixas de prata” e que dão um jeitão no dia-a-dia. Além, claro, de ter servido de modelo preventivo para todos aqueles que, em determinado momento da suas vidas, pensaram que um bigode era aquilo que lhes faltava.

Seja como for, serão sempre argumentos menores em tribunal. O grande trunfo da defesa baseia-se na insanidade das acusadoras. Não se pode levar a sério o depoimento de duas mulheres que aceitaram partilhar leito e intimidades com Yanni e Hasselhoff. Em casos de violência doméstica, duas mulheres que já provaram ser capazes de cometer actos que ultrapassam a demência total, não devem conseguir grande coisa. E, afinal, perguntará sempre a humanidade, chorosa, a Pamela Bach e Silvia Barthes, o que são umas lamparinas ocasionais, para impor o necessário respeito e adoração temente, comparado com aquilo que o mundo tem suportado dos vossos consortes?




Comentários:
De João a 24 de Março de 2006 às 11:44
Nunca percebi quem era a "C" e quem era a "J"... a "C" era a da esquerda, ou era ao contrário?


De david a 23 de Março de 2006 às 19:14
Acho que a CJ Parker como nos foi dada a conhcer atenua muito dos pecados de Mr. Hoff, mesmo na pele de "Knigth Rider" -o super-heroi- que-era vagabundo. A História lembrar-se-á dele como o responsável da grande CJ.A isso um bem haja


De Pedro a 21 de Março de 2006 às 17:46
Por falar nisso, o William Daniels, a voz do Kitt, está com as costas todas escavacadinhas. É o que dão uns anos de trabalho no porta bagagens de um carro desportivo.


De João a 21 de Março de 2006 às 16:44
Mas qual kit? O Kit Kat, o kit de primeiros socorros, o kit mãos-livres, o kit novo sócio, o kit sem fios, o kit auto-instalável e com activação imediata que dá acesso a uma maior oferta de produtos? Há que ser específico, caraças!


De fdinis a 21 de Março de 2006 às 10:21
Post muito bom... faltou apenas uma referência ao Kit!
Parabéns pelo blog...


De Pedro a 21 de Março de 2006 às 01:04
Não sou médico, mas parece-me anatomicamente impossível uma pessoa defecar directamente para cima do próprio pé.


De 101 a 20 de Março de 2006 às 11:45
Conhecendo bem os meus hábitos alimentares e as capacidades do meu corpo, é sem dúvida a segunda hipótese. Mas isso sou eu, claro...


De João a 17 de Março de 2006 às 11:54
Nunca percebi bem essa expressão do "Cagar um pé todo".
Significa defecar um pé inteiro, como aconteceria com um canibal que não fosse a favor do acto de mastigação e que tivesse fracos àcidos digestivos, ou é apenas algo que alguém que tenha posto o pé numa poça (de lama, por exemplo) acabe por dizer após tal acto?


De 101 a 17 de Março de 2006 às 10:26
Bolas até que enfim... já se consegue ler um post diferente uma vez por mês.

Quanto ao assunto exposto, se alguém teve a triste ideia (tal como eu) de ter seguido o conselho de outro "bloggista" conhecido da praça e viu o novo vídeo do David, de certeza concordará comigo que seria mil vezes preferível um tabefe bem assente. Porra, que coisa tão má. Repito até: porra, que coisa tão má. É tão mau que eu preferia ter cagado um pé todo a ter visto aquilo.


Comentar post

arquivos e isso
coisas menos coiso
digam que vão de minha parte
 Para deixar recado e assim
  • olhequenao@hotmail.com