Sexta-feira, 30 de Dezembro de 2005
Mundos Paralelos
Cada vez mais me convenço que não existem grandes diferenças entre a vida adulta e a infância. Tudo, mas mesmo tudo, na vida adulta não passa de um equivalente de qualquer coisa que já se vivia na existência de gaiato. A única diferença é que, como as pessoas se querem sentir mais adultas, crescidas, sofisticam as dinâmicas, dão-lhes nomes pomposos e sérios. Mas a essência é a mesma. O exemplo mais flagrante é a prática, adulta, da greve de fome como forma de protesto. Afinal, o que é uma greve de fome se não uma mera transposição do “não comer a sopa” para a vida de crescido? Eu, palavra de honra, não vejo grandes diferenças entre um adulto a fazer uma greve de fome porque o tribunal nunca mais lhe resolve o caso e entre um puto que amua em frente ao prato de sopa porque a mãe não o deixou comer os lápis de cera que cheiram mesmo a laranja. A diferença, pelo menos a essencial, reside no nome, pejorativo num caso, revelador do desespero humano no outro, facto que, invariavelmente, torna, aos olhos do mundo, a birra num capricho individual e a greve de fome num caso de vida que merece destaque mediático e solidariedade popular. A grande questão é que os adultos não podem fazer birras, já são crescidos, ponderados e frios, e, nesse sentido, não só recorrem ao truque de lhe – à birra – subverter o nome, como ainda se tornam solidários com quem a faz, ao contrário da dinâmica infantil, em que o petiz é abandonado, desprezado e julgado pelo resto da sociedade.

O Manuel Subtil, quando se trancou na casa de banho da RTP, e disse que tinha uma bomba e “ai Jesus, saiam daqui e não intervenham, que eu faço rebentar isto tudo!”, mais não fez que actualizar o célebre acto de se fechar em qualquer lado e gritar, para os pais, “Vou ficar aqui sem respirar até me darem aquilo que eu quero!”. As reacções populares a estes acontecimentos? “Olha-me bem para aquele fedelho malcriado e mimado”, num caso, e “pobre homem, que, de tanto desespero, chegou a este ponto” no outro. Nunca vi um puto ser aplaudido por uma multidão depois de fazer birra num centro comercial. Não se percebe a diferença de tratamento.

Algumas das formas de acabar com a birra – “resolver a situação” no caso adulto – são também equivalentes. Se um miúdo faz birra numa loja, porque quer não sei quê, o pai ou a mãe vão dizer “porta-te bem por causa da senhora da loja!”. A “senhora da loja” é a versão infantil do “eles” adulto. O “eles” é o culpado de tudo o que de mal acontece na vida de todo e qualquer indivíduo. O homem que faz greve de fome ouvirá, de certeza, da parte das pessoas que o querem convencer a abandonar tão nobre birra, um “Pois, eles não querem saber das nossas razões” seguido de um “é uma tristeza, mas é assim e não podemos fazer nada, por isso dê lá uma trinca neste pão de leite com fiambre e manteiga”. Com a “senhora da loja” é igual. A “senhora da loja” não quer saber das razões do puto, quer é que ele se cale e não perturbe a paz do negócio. “Eles” também não querem saber. E se não se calam, puto com a mosca e adulto desesperado, a “senhora da loja” e “eles” vão, respectivamente, intervir. E, mais cedo ou mais tarde, é através desta ameaça, da intervenção, que a birra amaina e a greve de fome acaba com uma bifana na roulotte que entretanto se instalara para aproveitar a aglomeração de pessoas.




Comentários:
De Lala a 24 de Janeiro de 2006 às 15:46
GENIAL! mesmo! adorei o blog.
ainda por cima sem erros ortográficos.
FANTÁSTICO!


Comentar post

arquivos e isso
coisas menos coiso
digam que vão de minha parte
 Para deixar recado e assim
  • olhequenao@hotmail.com